Serviços para salvaguarda do Patrimônio Religioso impactado pelo rompimento da barragem de Fundão

Resgate do Patrimônio Religioso impactado pelo rompimento da barragem de Fundão

A Estilo Nacional venceu concorrência da Samarco Mineração S/A para prestação de Serviços para salvaguarda do Patrimônio Religioso impactado pelo rompimento da barragem de Fundão, compreendendo as Capelas de São Bento e Nossa Senhora das Mercês e respectivo cruzeiro (Bento Rodrigues), de Santo Antônio (Paracatu de Baixo) e Nossa Senhora da Conceição (Gesteira).

Um contrato de 12 meses foi firmado junto à Fundação Renova, que foi constituída em 30 de junho de 2016 e iniciou suas operações em 02 de agosto de 2016, fruto do Termo de Transação de Ajustamento de Conduta (TTAC), assinado em 02 de março de 2016, entre Samarco Mineração, com o apoio de suas acionistas, Vale e BHP Billiton, e Governo Federal, Governos Estaduais de Minas Gerais e Espírito Santo, e outros órgãos governamentais.

O escopo contratado, integrante do Programa Socioambiental, atende o PG-12 do Termo de Transação de Ajustamento de Conduta (TTAC), sendo constituído das seguintes ações:

  • Elaboração de inventário e projeto executivo de restauração das Capelas de São Bento e Nossa Senhora das Mercês e respectivo Cruzeiro (Bento Rodrigues), Santo Antônio (Paracatu) e Nossa Senhora da Conceição (Gesteira) e respectivos bens móveis e integrados;
  • Serviços emergenciais dos elementos arquitetônicos e estruturais das Capelas de São Bento (Bento Rodrigues), Santo Antônio (Paracatu) e Nossa Senhora da Conceição (Gesteira);
  • Serviços de preservação e conservação dos bens móveis e integrados pertencentes às Capelas de São Bento, Nossa Senhora das Mercês, Santo Antônio e Nossa Senhora da Conceição;
  • Serviços de arqueologia referentes às Capelas de São Bento, Nossa Senhora das Mercês, Santo Antônio e Nossa Senhora da Conceição;
  • Fornecimento de infraestrutura para a Reserva Técnica e Laboratório de Restauração.

Os programas da Fundação Renova são baseados em duas principais frentes: remediação e compensação. A primeira consiste em restaurar e restabelecer as comunidades e recursos impactados pelo rompimento da barragem, enquanto a frente de compensação visa substituir ou compensar o que não é passível de remediação.

Antiga Igreja de São Bento, localizada em Bento Rodrigues, Mariana-MG

Igreja de Nossa Senhora das Mercês, localizada em Bento Rodrigues, Mariana-MG

Igreja de Santo Antônio, localizada em Paracatu de Baixo, Mariana-MG

Igreja de Nossa Senhora da Conceição, localizada em Gesteira, Barra Longa-MG

Elaboração de Projetos para Estabilização e Restauração das Ruínas da Igreja de São Miguel Arcanjo, em Baía da Traição-PB

Ruínas da Igreja de São Miguel Arcanjo em Baía da Traição-PB

A Estilo Nacional foi contratada pela Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional na Paraíba (IPHAN-PB), para elaborar projetos para estagnar e reverter o processo de degradação das ruínas da Igreja de São Miguel Arcanjo, localizada na aldeia indígena Potiguara de São Miguel no município de Baía da Traição-PB. Fazem parte do escopo a elaboração do projeto arquitetônico de restauração, com previsão da devolução do uso eclesiástico do bem cultural à comunidade, além de projetos complementares de engenharia.

As ruínas foram tombadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (IPHAEP) em 1980, por meio do Decreto Estadual nº 8.658/80.

A construção do templo é controversa por parte dos historiadores. Em uma das versões foi construída pelos padres da Companhia de Jesus no início do século XVIII, a fim de dar assistência aos indígenas e aos soldados do fortim existente na Baía da Traição. Passou à condição de Matriz quando foi criada a Freguesia de São Miguel da Baía da Traição em 1840 (Lei nº 14 de 12 de novembro 1840), embora sua construção tenha permanecido inconclusa; em outro texto se afirma que sua construção é atribuída aos holandeses calvinistas, com data de início em 1701 e sendo criada a Freguesia de São Miguel da Baía da Traição em 1762.

Se admitindo a primeira versão, trata-se de uma construção jesuítica com características barrocas, medindo 26,40m de comprimento por 10,40m de largura. Supõe-se que a igreja não foi concluída devido à saída dos missionários jesuítas do local.

Baía da Traição é o termo pelo qual os colonizadores portugueses denominaram a baía situada defronte a atual cidade sede do município, em virtude de nela os índios potiguaras haverem trucidado muitos portugueses da frota de Gonçalo Coelho. Até então, os índios potiguares denominavam a baía de Akaîutebiró, que significa “cajueiro estéril” (akaîu, cajueiro + tebiró, sodomita, estéril ou azedo). O nome indígena influenciou a formação do antigo nome da baía da Traição, “Acajutibiró”.

Escritos neerlandeses da Descrição geral da capitania da Paraíba confirmam a origem de tal nome:

«(…) A baia da Traição, que já tinha a esse tempo nome português, em consequência do fim lamentável que aí tiveram algumas pessoas da expedição de Gonçalo Coelho (1501).»

O termo Baía da Traição aparece pela primeira vez na carta que Américo Vespúcio enviou ao então rei de Portugal, Manuel I, «O Venturoso», em 1501, relatando suas descobertas no litoral nordeste do Brasil. Em tais escritos ele narra:

«(…) navegamos por dias e dias até encontrarmos porto seguro. Então mandamos quatro dos nosso à terra, para barganhar com mulheres índias que nos acenavam de um alto. No meio da conversa [com tais índias] os mancebos foram mortos a pauladas pelas costas, assados e devorados.»

Plano de Gestão de Proteção ao Patrimônio Cultural da Área Remanescente do Povoado de Cuiabá

Ermida de Santa Efigênia, localizada em área remanscente do extinto povoado de Cuiabá, distrito de Mestre Caetano, Sabará-MG

A Estilo Nacional foi contratada pela sul-africana AngloGold Ashanti para desenvolvimento do Plano de Gestão do Patrimônio Cultural da Área Remanescente do Antigo Povoado de Cuiabá, localizado no município de Sabará-MG, em área anteriormente pertencente à Mineração Morro Velho. O antigo povoado, que teve sua origem, progresso e decadência na mineração do ouro, não existe mais. As edificações foram transformadas em ruínas e sobreviveram ao seu desaparecimento apenas dois templos católicos e uma edificação civil do século XX.

O Plano de Gestão é uma demanda do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA-MG) enquanto medida compensatória para liberação da Licença de Operação (LO) para o empreendimento denominado “Alteamento da Barragem de Disposição de Rejeitos da Mina Cuiabá”. Tem como objetivo principal a educação patrimonial através da exemplarização do espaço remanescente do extinto povoado, atentando para a comunicação e a preservação de seus patrimônios relacionados. Outro objetivo a ser alcançado é a reabertura ao público das edificações existentes na área remanescente, em especial, a Capela de Nossa Senhora do Rosário e Ermida de Santa Efigênia, ambas tombadas em nível estadual.

A primeira referência encontrada em relação ao povoado de Cuiabá está registrado no livro 1º de Memórias da Câmara de Caeté, datado de 2 de janeiro de 1787. Diz o documento “(…) nelle ha uma capela a Senhora do Rosario, erecta á custa dos moradores, é filial da freguezia do Caethé; neste mesmo monte extrahem aquelles moradores por minas subterraneas formações de ouro, valendo-se das aguas do inverno para as lavarem; não é abundante de povo, e menos de mântimentos e fructas; está desviado da villa de Sabará pouco mais de uma legua (…)“.

Sobre a AngloGold Ashanti

No século XIX, a empresa de mineração inglesa Saint John Del Rey Mining Company deu início à exploração de ouro em Nova Lima, Minas Gerais. Mais de 170 anos depois, o patrimônio minerador passou a ser controlado pela AngloGold, atualmente AngloGold Ashanti, após a fusão com a Ashanti Goldfields, em 2004. A empresa explora minério de ouro no Quadrilátero Ferrífero, província mineral com grande importância para o desenvolvimento econômico e social de Minas Gerais e do país. Apenas m 1999 a AngloGold passa a controlar a Mineração Morro Velho, antiga exploradora da Mina de Cuiabá.

Pesquisa sobre a história e conformação da Capoeira no Estado de Sergipe

Pesquisa Sobre a História e Conformação da Capoeira no Estado de Sergipe

A Estilo Nacional foi contratada para desenvolver pesquisa sobre a história e a conformação atual da Capoeira no estado de Sergipe, paralelo à mobilização dos mestres, grupos e/ou praticantes dessa dança-jogo-luta. A concorrência foi organizada pela Superintendência Estadual do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN-SE).

A capoeira é uma prática cultural que se define de maneira bastante ampla e diversa. Pode ser compreendida como luta, jogo, dança, brincadeira, ritual, entre outras definições. Suas origens remetem ao sec. XVIII, como uma das importantes formas de resistência dos negros africanos à escravidão no Brasil.

Dentro do universo da cultura afro-brasileira a capoeira apresenta várias semelhanças com outras práticas culturais nos seus elementos simbólicos e rituais como a estrutura da roda, a relação de hierarquia entre mestres e demais integrantes, sua relação com o universo religioso afro-brasileiro, conforme podemos perceber também nas práticas do Ofício de Baiana de Acarajé, do Samba de Roda do Recôncavo Baiano, do Jongo do Sudeste, das matrizes do samba no Rio de Janeiro, do Tambor de Crioula do Maranhão, e em certa medida do Frevo, práticas estas que já foram devidamente reconhecidos pelo IPHAN como Patrimônio Cultural do Brasil.

A Capoeira está presente em todos os estados brasileiros e se apresenta em diversas variações e modalidades como capoeira angola, regional, contemporânea e outras. Assim como também já está estabelecida em mais 150 países do mundo.

Projeto Executivo de Restauração do Sobrado do Padre Taborda em Itaverava-MG

Sobrado do Padre Taborda em Itaverava-MG

A Estilo Nacional foi contratada pela Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em Minas Gerais (IPHAN-MG), para elaboração dos Projetos Executivos de Restauração do Sobrado do Padre Taborda, localizado na cidade de Itaverava-MG. A contratação destes projetos representa o compromisso assumido pelo IPHAN junto aos Ministérios Públicos Federal e Estadual, em face da Ação Civil Pública impetrada por estes entes contra o IPHAN e Município de Itaverava, que pede a recuperação do Bem.

Localizado ao lado da Matriz de Itaverava, na rua Barão de Coromandel, o antigo sobrado foi construído na segunda metade do século XVIII e pertenceu ao primeiro vigário colado da paróquia de Santo Antônio da Itaverava, Padre Manoel Ribeiro Taborda. Internamente, além de pinturas parietais, diversos forros apresentam pintura ornamental atribuída ao Mestre Athaide. O sobrado é tombado pelo IPHAN, com abrangência para o conjunto de edificações em torno deste e da igreja matriz que conserva a fisionomia e a volumetria que caracterizam o ambiente urbano colonial da cidade.

A edificação encontra-se sem utilização, sem proteção física, em estado precaríssimo de conservação, arquitetônica e artisticamente, exibindo degradação de forma progressiva e acentuada. Os projetos visam subsidiar adequadamente as futuras obras de restauração, com o objetivo de garantir a integridade do bem tombado nacionalmente e a devida adequação da edificação aos usos propostos e legislação atuais. Trata-se de um prédio de domínio da municipalidade que abrigará, após a sua restauração, a Casa de Cultura Municipal, ou seja, funções de interesse público, o que permitirá à população em geral o usufruto deste importante objeto cultural.

Excerto de forro cuja pintura ornamental é atribuída ao Mestre Athaíde

Estilo Nacional desenvolve projetos de restauração em Parnaíba-PI

Porto das Barcas – Parnaíba-PI

A Estilo Nacional venceu concorrência da Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Piauí (IPHAN-PI) para elaboração de projetos de restauração de três templos religiosos localizados na cidade de Parnaíba-PI: Catedral de Nossa Senhora da Graça (incluíndo seus elementos Artísticos Integrados), Igreja de Nossa do Rosário e Capela de Nossa Senhora de Montserrat. Os projetos, que integram as ações do PAC Cidades Históricas do Governo Federal, contemplam a segunda maior cidade do estado, localizada no litoral piauiense, fundada no início do século XVIII e dotada de um Conjunto Histórico e Paisagístico tombado em nível federal pelo IPHAN.

Catedral de Nossa Senhora da Graça

Catedral de Nossa Senhora das Graças – Parnaíba-PI

Atribui-se o início da construção da Igreja ao ano de 1770, data inscrita no frontão do templo. O bem possui traços estilísticos que o aproximam da escola neoclássica, refletidos na sobriedade compositiva de ornatos e tratamentos de cantarias do frontispício. Seus principais benfeitores foram os Dias da Silva, responsáveis pela execução da Capela do Santíssimo Sacramento, onde estão as lápides da família. A Matriz de Parnaíba passou por intervenções descaracterizantes ao longo do tempo, entretanto, guarda a essência arquitetônica das igrejas do século XVIII, além do rico acervo de bens artísticos integrados.

Elementos Artísticos Integrados da Catedral de Nossa Senhora da Graça

Elementos Artísticos Integrados da Catedral de Nossa Senhora das Graças – Parnaíba-PI

Os elementos contemplados no projeto são: Retábulo de Nossa Senhora da Graça (Retábulo-Mor), Retábulo do Santíssimo Sacramento, Retábulo de Nosso Senhor dos Passos, Retábulo do Sagrado Coração de Jesus, Cancelões da Capela do Santíssimo Sacramento, Painel de Azulejaria da Capela do Santíssimo Sacramento, Lápides da Capela do Santíssimo Sacramento, Pia Batismal e Lavatório.

Igreja de Nossa Senhora do Rosário

Igreja de Nossa Senhora do Rosário – Parnaíba-PI

A construção de um templo dedicado a Nossa Senhora do Rosário é atribuída no final do século XVIII. Domingos Dias da Silva é apontado como seu benfeitor, tendo erguido o templo para seus escravos em um local onde originalmente teria existido uma senzala. A edificação possui traços estilísticos da tipologia eclética, com alguns elementos góticos. O frontão triangular reflete sua sobriedade e simplicidade compositiva, característica também encontrada no interior de seu corpo principal, sem grande ornamentação. A igreja passou por intervenções descaracterizantes ao longo do tempo, entretanto, guarda a essência arquitetônica das igrejas do final do século XVIII.

Capela de Nossa Senhora de Montserrat

Capela de Nossa Senhora de Montserrat – Parnaíba-PI

A história da capela de Nossa Senhora de Montserrat está ligada à fundação de Parnaíba e antes mesmo da criação da vila, já existiam indícios da existência da mesma localizada próxima ao Porto das Barcas. A data atribuída à construção é 1711, também constante em inscrição localizada em sua fachada frontal. A edificação teve outros usos além do eclesiástico, já foi até mesmo propriedade de terceiros, e em 1990 retorna à Igreja através de doação. A ela é atribuído o título de “Mais antiga do Norte do Piauí”. A ermida, também conhecida como Capela Senhor dos Passos, passou por intervenções descaracterizantes ao longo do tempo, entretanto, guarda a essência arquitetônica das típicas capelas e passos do século XVIII.

Página 1 de 41234